terça-feira, 14 de julho de 2015

Campo de concentração, de 'A Lista de Schindler', em Auschwitz

Eu imagino o quanto deve ser difícil visitar um campo de concentração, um lugar com um clima pesado, triste, com condições desumanas onde pessoas eram submetidas ao sofrimento extremo, sem nenhuma dignidade ou respeito pela vida humana, mas eu imagino também a importância da preservação dos campos de concentração, não devemos esquecer nunca o horror que uma guerra trás, devemos tomar ciência dos atos cometidos para que eles nunca mais sejam repetidos, e assim evoluir como pessoa, população e nação.

Na cidade de Oświęcim (Auschwitz em alemão) na Polônia, no período da Segunda Guerra Mundial, o líder da Alemanha Nazista, Adolf Hitler ordenou a construção de vários campos de concentração nazista e um de extermínio, conforme o exército ia conquistando territórios por toda Europa, as prisões convencionais já não comportavam mais o grande número de prisioneiros judeus e principalmente poloneses.

Os antigos alojamentos da artilharia do exército em Auschwitz foram transformados no maior complexo de campos de concentração contendo Auschwitz I (Stammlager, campo principal e centro administrativo do complexo), Auschwitz II - Birkenau (campo de extermínio), Auschwitz III - Monowitz, e mais de 40 campos satélites.

No campo de extermínio, conhecido como a Solução Final dos Judeus, trens transportavam diariamente judeus de toda a Europa para as câmaras de gás, ao chegarem eram separados em dois grupos, os que tinham condições de trabalhar, e os que seriam descartados (normalmente mulheres, crianças e velhos).

No Holocausto morreram judeus, poloneses, ciganos romenos, prisioneiros de guerra soviéticos e muitas pessoas de diversos países, os que “escapavam” das câmaras de gás também encontravam a morte através de doenças infecciosas, execuções individuais, trabalhos forçados, fome ou experiências médicas.

A Segunda Guerra Mundial acabou em 1945, no dia 27 de janeiro o exército soviético libertou todos os prisioneiros dos campos de concentração, nesse dia comemora-se mundialmente o Dia Internacional da Lembrança do Holocausto, em 1947 a Polônia criou um museu localizado em Auschwitz I e II onde sob um portão de ferro está escrito "Arbeit macht frei" (o trabalho liberta).














No vídeo abaixo, filmado por um drone, em comemoração ao aniversário de 70 anos de libertação dos campos é mostrado o maior e mais conhecido campo de concentração nazista, Auschwitz - Birkenau, após 70 anos do Holocausto é possível ter uma noção da escala das estruturas que permanecem em pé.

video

Para visitar o campo de concentração o ponto de partida mais comum é a Cracóvia, localizada ao sul da Polônia, você pode comprar um pacote turístico de ida e volta para conhecer Auschwitz I e Auschwitz II (os campos ficam três quilômetros de distância entre um e outro), na cidade de Oswiecim, em ônibus com ar-condicionado, guia em inglês ou espanhol. Há também ônibus com saída regular da rodoviária de Cracóvia que para na entrada do campo.
Você tem a opção de entrar de graça, sem guia (a escolha é sua), existe audioguia (em português!) para alugar, dependendo da época os horários sofrem mudanças e para o deslocamento entre um campo e outro, pode-se fazer a pé ou pagando um ônibus.

O filme A Lista de Schindler de 1993 retrata o campo de concentração de Auschwitz, no longa-metragem foi usado relatos de sobreviventes.

Não deixem de confirmar todas as informações de visitação antes de realizar o passeio e leve dinheiro da moeda local; dúvida, crítica, sugestão sobre este roteiro, compartilhe com o Turista Desbravador postando um comentário.

IMAGENS: viavia e via | VÍDEO: via

Nenhum comentário :

Postar um comentário